[Resenha] Antes que eu vá - Lauren Oliver!

Título: Antes Que eu Vá

Autora: Lauren Oliver

Editora: Intrínseca


Resenha: “Dizem que logo antes de morrer sua vida inteira passa diante dos seus olhos, mas não foi assim comigo”.

É com essa frase que Samantha Kingston dá início à trama, narrada em primeira pessoa, sob sua perspectiva. Sam, como costuma ser chamada, faz parte do grupo das populares do colégio Thomas Jefferson e tem uma vida aparentemente perfeita, desde o namorado mais cobiçado e as melhores amigas que alguém poderia ter à freqüentar as melhores festas e ter as melhores e maiores regalias em tudo.  Longe dos holofotes é uma jovem como qualquer outra, que além de ter os problemas típicos da idade, ainda tem a futilidade como seu guia, não valoriza a família como deveria e esconde seus temores e insegurança atrás das brincadeiras maldosas com as outras pessoas, que nada mais são que frutos do poder de superioridade que tem, tornando-a irresponsável e egoísta – tão quanto as suas amigas, Lindsay, Ally e Elody.

A futilidade foi o carro-chefe na trama, fazendo as quatro amigas terem comportamentos abusivos e de quem acha ser o centro do universo, muito bem descrito na atmosfera colegial que trouxe para o enredo pontos fortes como: bulliyng, segredos sórdidos, traição, bebidas, o drama da primeira vez e suicídio.

Entrando no desenrolar vemos a protagonista levantar exatamente às 6h45. É dia 12 de fevereiro e é o Dia do Cupido. Dia favorito das amigas que elevam ainda mais o seu ego numa tradição que consiste em distribuir rosas para as pessoas que você mais gosta e com isso medir o quão popular você é pelo número de rosas que recebe. O restante da manhã se desenrola assim, cada um exibindo as rosas que receberam, criticando quem não recebeu nenhuma, ou esnobando quem, - por mais uma brincadeira fútil – recebeu uma rosa falsa. E é aí que conhecemos Juliet, a garota isolada, que vive sofrendo por ser o estereótipo de garota estranha.


Gostamos e não gostamos de Sam ao mesmo tempo, conseguimos ver que é uma pessoa boa, mas ao mesmo tempo suas atitudes nos faz odiá-la e sobrepor todas as suas qualidades. Vemos o quanto as três usam Lindsay como referência e concordam com tudo que ela faz, usando de artifícios fracos demais para justificar essa liberdade toda que dão para ela - que é a Cabeça do grupo. Logo mais, Kent, o garoto nerd e que não é popular, mas que sempre mostrou se importar com Sam, anuncia que vai dar uma festa em sua casa e convida as 4 amigas, que de antemão esnobam o convite, mas acabam indo. Com uma festa regada a muita bebida e música alta, vamos conhecendo mais da personalidade de cada um e é visível o quanto os populares não se misturam e zombam dos não-populares. A festa acaba para o grupo de garotas quando Juliet resolve aparecer na festa e falar para elas o que sempre teve vontade, causando um alvoroço que faz a garota estranha ser destratada por todos e sair da festa aos prantos, acabando com o clima até das amigas.

"Também pensei que fosse viver para sempre..."

Voltando da festa, em meio a conversas descontraídas, música e assuntos peculiares como a morte, o carro de Lindsay bate em algo e sai da estrada. E é aqui que toda a sina da garota que vai reviver seu último várias vezes, começa. Isso mesmo, Sam tem sua vida virada de cabeça para baixo e após acordar no próximo dia, exatamente com o relógio marcando 6h45 do dia 12 de fevereiro, ela ainda não se dará conta que reviverá o fatídico dia da sua morte - precisamente - SETE vezes.

"Mas antes que comece a me acusar, permita-me fazer uma pergunta: o que fiz foi realmente tão ruim? Tão ruim que eu merecia morrer por isso? Tão ruim que eu mereça morrer assim? O que eu fiz foi realmente tão pior do que o que todo mundo faz? É realmente pior do que você faz? 
Pense a respeito."

No primeiro dia após o acidente ela acha que tudo foi um sonho. Os acontecimentos do dia a dia – que se fazem iguais ao anterior – e que a fazem lembrar do que tão bem já sabe, lhe dão a impressão de um déjà vú eterno. Sem entender o porquê daquilo tudo, Sam vive o dia mais sombrio da sua vida, vivendo cada momento de forma desesperadora já sabendo como irá terminar. De acordo com que os dias vão passando, menos ela entende o que está acontecendo, quando percebe que pequenas mudanças que faz no seu dia, vão refletindo nos resultados finais e então a garota começa a tentar mudar o rumo dos fatos, fazendo tudo corretamente para que no fim de tudo, o acidente seja evitado. Em uma dessas vezes, o acidente é realmente evitado... Em contrapartida, um suicídio acontece, porque a autora do disparo não teve dessa vez o carro da Lindsay na estrada para causar a sua morte (O que foi genial esse contexto).

"Eis outra coisa a se lembrar: a esperança o mantém vivo. 
Mesmo quando você está morto, é a única coisa que o mantém vivo."

E é aí que, após acordar vendo que ainda assim está novamente vivendo seu último dia, Sam vai entendendo o objetivo disso tudo e vai se revelando, nos ajudando a montar o quebra-cabeças. Ela está morta! E não há como mudar os fatos, o que ela tem agora é a chance de consertar todos os seus erros, tem sete segundas-chances para aproveitar tudo que não aproveitou, valorizar quem não valorizou. Cada dia traz uma nova lição, um novo aprendizado. Ela precisava partir, mas antes lhe foi permitido viver quantas vezes fosse necessário para consertar um grande erro. E enquanto ela não conseguisse refletir no que precisa ser consertado, o seu despertador iria tocar todos os dias na mesma data e horário.

Tudo isso lhe dá a chance de amadurecer, valorizar cada momento. Vamos acompanhando o crescimento da personagem, numa busca desenfreada de colocar todas as pequenas coisas nos eixos enquanto há tempo. Vemos a garota imatura do começo do livro, ganhar força, sensibilidade. Ela começa abrir os olhos para o que realmente importa, para o que a sua própria futilidade a cegou. Kent e Juliet crescem muito nesse contexto, Sam vai percebendo que o amor da sua vida sempre esteve mais perto do que poderia imaginar, assim como percebe o quanto palavras mal intencionadas podem influenciar a vida de alguém. Agora ela precisa Salvar para se salvar! E o final foi plausível, ficamos numa espécie de choque com a coragem que ela teve, mas ao mesmo tempo entendemos que ela precisava daquilo para partir, ajudar quem sempre destratou, dar uma nova chance para quem sempre sofreu por sua causa, fazer as pessoas verem o quanto são importantes do jeito que são.

"TALVEZ...você possa se dar ao luxo de esperar. Talvez para você haja um amanhã. Um, dois, três ou dez milhões de amanhãs... Tanto tempo, que você possa nadar nele, deixar rolar e enrolar-se nele, deixá-lo cair como moedas por entre os dedos. Tanto tempo, que você possa desperdiçá-lo. Mas, para alguns de nós, há apenas o hoje. E a verdade, afinal, é que você nunca sabe quando chegará a sua vez."


Antes que eu vá, é um livro cheio de experiências, os momentos tristes são dilacerantes, você sente a angústia de quem está vendo o seu último dia de vida passar aos seus olhos, vê o desespero, arrependimento e o coração aberto de quem começa a lutar para reparar os erros e aproveitar os últimos momentos na presença de quem ama. Vê alguém - mesmo em meio a toda loucura do momento -, entender o que precisa fazer para partir e assim parar de viver o seu último dia como se não fosse acabar nunca mais.

"As coisas mudam depois que você morre – acho morrer é a coisa mais solitária que se pode fazer"

E o que tem de ser feito, é finalmente feito.
Sam deixa uma grande lição: que pequenas atitudes podem mudar tudo. Lições essas que foram tão bem descritas em cima da personagem que cumpriu o seu papel e mereceu o seu tempo.
Uma história que além de incrível, se faz necessária... num livro que leva Lauren Oliver à lista das melhores escritoras do mundo.

"Esse é o problema com sacrifícios. São dolorosos. Literalmente."



ps. O livro foi adaptado para os cinemas e já está em exibições.
Já conferi e embora tenham mudado TANTOO, é apreciável. Eu recomendo sim!
Segue o trailer:

Algumas fotos do filme


Beijinhos :*
Até a próxima!

29 comentários:

  1. Oi Thay! Eu concordo com tudo que vc disse, às vezes tinha raiva da Sam, outras vezes gostava do jeito dela. No fundo, acho que gostei mais da Sam do filme rsrsrsrsrs De todas as formas é um livro diferente e fiquei até o fim torcendo por um final feliz.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também fiquei torcendo, eu juro :'(
      Mas a mensagem compensou o final diferente que eu esperei!

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá Thay, tudo bem?
    Acho que todo mundo que leu, não gostou da Sam no início né ?! Eu li esse livro faz tempo, já esqueci alguns detalhes, mas adorei. Achei a sacada da autora genial e o fim é triste mas, ao mesmo tempo, lindo.
    Beijos!

    Http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim ♥
      E muita gente não tem paciência de esperar ela amadurecer. Mas é um livro que vale muito a pena <3

      Excluir
  4. Oi Thay!
    Ainda não li o livro todo, estou na segunda vez que ela volta... rsrs... como estou lendo em paralelo com outro livro, não sei se conseguirei assistir no cinema. Se não der, vejo na NET depois... Vou acelerar! rs
    bjs

    Amor por Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vi pela net, tomara que você goste da leitura e que consiga assistir <3

      Excluir
  5. Olá, tudo bem?
    Menina estou terminando de ler este livro em E-book, pra ser bem sincera demorei um pouco para chegar até onde cheguei, o achei meio cansativo, mas mesmo assim gostei do que a autora quis propor com o enredo. Também quero muito assistir o filme, espero gostar mesmo com as diferenças... Xero!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Torço para que você mude de ideia quando terminar, Diana <3

      Excluir
  6. Oi, Thay!
    Que bom que gostou do livro. Eu vi muita resenha negativa sobre ele. Entretanto, vi muitos elogios ao filme, que foi bem adaptado.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio Dois Anos de Família Hallinson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que eu diria o contrário rs
      Valeu, Lu *.*

      Excluir
  7. Oi, Thay. Que espetacular sua resenha! Eu ouvi falar do livro mas muita gente detestou então senti um certo receio em ler, mas adorei a forma como você descreveu a história, deu até uma vontade enorme de ler ele.
    Eu tenho problema com personagens chatas assim, bem difícil de gostar mas eu adoro esse negócio de loop. Dizem que quando alguém morre, ela fica presa em uma espécie de purgatório em um dos piores dias da vida dela, e assim, ela precisa fazer alguma coisa boa para enfim ir para o céu. Acho que o livro é basicamente isso, né?
    Beijo.
    Leitora Encantada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi!
      Acho que se eu fosse você daria uma chance pra ele. Sam não fica chata o tempo todo e você tá bem por dentro da premissa pelo jeito, é por aí mesmo rs
      Bejinhos :*

      Excluir
  8. Hey, Thay!
    Estou emocionada aqui com a sua resenha. Vi muita gente falar horrores do livro e principalmente da Sam. Mas o que eu realmente acho, é que as pessoas não entenderam a protagonista, nem o enredo do livro. Acho que não conseguiram captar a mensagem que a autora quis passar e não tiveram paciência para acompanhar o amadurecimento dos personagens, que você tão graciosamente destacou. Sinceramente, ainda não tinha visto uma resenha tão completa e sincera sobre o livro, como a sua. E fico super feliz por saber que alguém conseguiu transmitir em palavras de forma objetiva e delicada, tudo o que eu senti durante a leitura. Para mim também não foi fácil. Principalmente quando a vi consertando seus erros com a família e o Kent. Tudo, tarde demais... dói! Mas no começo, abandonei a leitura para só retomá-la muito tempo depois. Não tive paciência. Mas acredito que se assim como eu, as pessoas dessem uma segunda chance, tentassem ver com outros olhos, enxergariam o quanto a história de Sam é tristemente inspiradora.
    ADOREI sua resenha! Queria ter conseguido me expressar assim na minha.
    Mil beijokas - Entre um Livro e Outro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anya!
      Seu comentário foi um dos que mais me cativou de todos os posts que eu já fiz aqui em muito tempo. Obrigada por me fazer perceber e sentir que você realmente tirou um tempinho pra ler a resenha toda e se encantou com o que eu tentei passar, muito obrigada mesmo.
      E eu concordo com tudo que você falou, não gosto de ler as críticas negativas desse livro porque dá vontade de sair discutindo com todo mundo rs, enfim, muito obrigada por me entender, haha.

      Excluir
  9. Oi
    acabei de ler uma reviw do filme e agora li sua resenha, que bom que conseguiu tirar uma lição da história, parece ser uma boa leitura.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Olá, Thay.
    Infelizmente eu não gostei desse livro. Fui com muita sede ao pote já que tinha acabado de ler um outro livro da autora e tinha amado. Li ele logo que lançou e acabei não gostando e também odiei o final hehe. Por isso nem sei se quero ver o filme.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  11. Oi gatona! Seu layout é apaixonante!
    Eu ainda não havia lido nada desse livro, pois queria ler antes de ver o filme, mas não vai dar mais tempo.rs Então a sua resenha chegou na hora certa. Não sei se tenho estrutura para uma história assim gente. Que desespero. Mas meu lado masoquista vai me fazer ler, pois sua resenha foi tão cheia de detalhes, sei que o filme não chegará nem aos pés. Nunca chega né? Obrigada pela dica. Super beijo ♡
    Resenhando por Marina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marina linda, muito obrigada pela visita ♥
      Espero que você goste tanto quanto eu.
      E não, o filme não chega nem aos pés, como esse também não chegou. Boa leitura <3

      Excluir
  12. Olá Thay! Joia?
    Estava por fora do livro e percebi que tô por fora até dos cinemas, rs' Mas encontrei aqui algo de valor! adorei sua resenha, uma forma bem diferente e me gerou uma imensa curiosidade, a maneira que se abriu foi bem clara, mostrando que a uma lição a alcançar dentro da história. Parabéns!

    Beijos!
    Rabiscos Colorido

    ResponderExcluir
  13. Sabe que já ouvi falar bastante do livro e filme, mas não li e assisti nenhum deles, apesar de parecer uma premissa muito boa, penso que talvez seja um clichê, mas irei conferir futuramente! Ótima resenha, adorei sua comparação com o filme também!

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que foge um pouco do clichê e penso que você deveria dar uma oportunidade! Bjs

      Excluir
  14. Oi Thay,
    Minha experiência com o livro não foi tão boa.
    Infelizmente.
    Mas quero dar uma chance ao filme, que só tenho visto elogios.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas o filme ficou devendo em vários aspectos, viu? rs

      Excluir
  15. Olá, Thay.
    Vi que muita gente tá falando do filme, mas eu quero mesmo é conferir o livro. Acho que vai ser uma leitura bem angustiante, mas que irei tirar boas lições para minha vida.
    Fiquei curioso pelo desfecho, mas vou ter que segurar a ansiedade rsrsrs

    Abraço!
    http://tudoonlinevirtual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Já que você chegou até aqui, que tal deixar-me um recadinho?
Sua opinião é muito importante ♥