[Resenha] Meu Lado Serial Killer - Uma Antologia de Ceiça Carvalho!

Titulo: Meu Lado Serial Killer

Autores: Adriane Saltli; Alexandra Lazari; Artur Laizo; Christian Fonseca; Debora MM; Debrittus; Eduardo Silva Francisco; Elza Helena; Francisco José Pinheiro de Souza; Humberto Lima; John K; Julius Caesar; Márcia Pavanello Pires; Mariani Balland Christóvão; Nanda Scarllat; Natália Lopes; Onivid Silva; Paz Guerreiro; Renato Neres; Tamar Facchinetti; Vi Portalli; Vinicius Ribeiro; Vitor Machado; Wellington L. Barbosa Jr; Willianice Soares Maia.

Editora: Rico Editora

Sinopse: São seres humanos loucos ou cruéis?
Serial killer é a denominação de uma pessoa criminosa com perfil psicopatológico que comete assassinatos com uma certa frequência, seguindo o modus operandi, e não raramente, deixando sua “assinatura”. Boa parte destes criminosos tem um bom perfil social: respeitáveis, bem-sucedidos, aparentemente afáveis. Alguns foram descobertos e presos pelos seus crimes. E muitos ainda estão camuflados na sociedade. Nesta antologia os autores irão discorrer seus contos a partir de histórias reais de Serial Killers, levando como base o modus operandi 
(por: Fernando Mello).


Resenha: "Meu Lado Serial Killer" é uma antologia promovida pela campanha 'Eu leio Brasil', em parceria com a Rico Editora. A Antologia é constituída por contos cuja narrativa aborda crimes praticados por Serial Killer e tem a organização de Ceiça Carvalho.

Mas o que é um Serial Killer?
Como o nome já sugere, é um Assassino em Série, ou seja, é um tipo de criminoso com desvio psicológico que comete vários assassinatos com um determinado intervalo de tempo durante os homicídios, podendo ser dias, meses, anos... e geralmente seguindo um modus operandi, que significa ‘modo de operação’, logo seguem o mesmo tipo de assassinato em crimes da mesma espécie, em outras palavras, executam suas vítimas seguindo o mesmo padrão. Em muitos casos, eles deixam sua própria assinatura, o que foi possível ver em alguns contos desse livro.

Composto necessariamente por 26 contos, o livro vai nos trazer, nos mais variados contextos, esses assassinos em série na ativa, nos apresentando os mais diversos perfis onde é possível ver e - assustadoramente - perceber o quanto eles podem estar em toda parte, camuflados na sociedade na pele do bom moço de família, do açougueiro, da terapeuta, do humorista, do pintor, do policial e por aí vai...

Muitas vezes apresentam comportamento satisfatório, são admirados por algo e é um exemplo em sociedade - quando intimamente são terrivelmente perturbados. Em muitos contos tivemos até uma abordagem psicológica das motivações que levavam essas pessoas a cometer esses crimes brutais. Os autores conseguiram traçar perfeitamente o perfil de um assassino em série, mostrando a necessidade que eles tem de possuir o controle sobre suas vítimas, tornando-as submissas e em uma posição onde se encontram encurraladas diante de quem tem plenamente o controle de uma situação que foi meticulosamente bem arquitetada.

Tortura, situações de humilhação, estrangulamento, fúria e sexo abusivo são só alguns elementos de um livro que vai te fazer temer a aproximação até da pessoa - aparentemente - mais perfeita do mundo e preparar melhor nossos olhos a estar atentos a tudo que está ao nosso redor. É um livro pesado, mas que ao mesmo tempo nos deixa com aquela sensação de alerta e cientes de que tem muito louco à solta, matando cruelmente muita gente e muitas vezes pelos motivos mais banais do mundo. Um ponto bem bacana do livro foi que pudemos ver a mulher como uma assassina também. Estamos tão acostumados a achar que só o homem comete esse tipo de atrocidade que quando vemos uma mulher na pele de uma assassina em série, é difícil acreditar que consigam ser tão cruéis quanto. Renato Neres trouxe um desses contos, o conto ‘Crime da Calcinha’, que eu achei genial e - infelizmente - totalmente possível.

É presumível - o que já é evidente - gostar mais de uns contos que outros. A maioria eu finalizei com satisfação em ter lido, acompanhado da expressão ‘caramba, que criativo’. A seleção para a antologia no geral ficou incrível e foi uma grata surpresa ver tanta gente bacana, produzindo um conteúdo mais bacana ainda. Recomendo!

[Diversos] TOP 5: Autoras famosas que eu ainda não li nenhum de seus livros!

Hi everybody!!

Olha eu aqui com mais um TOP ♥
Eu amo esse tipo de post e sinto tanto por não trazê-los com mais frequência... Infelizmente o tempo não me permite. Esse ano iniciei um projeto profissional importante e tem tomado meu tempo muito mais do que imaginei. As leituras andam devagar, minha presença aqui cada vez mais diminuída, mas não desistam de mim, tá? 
Sem delongas, pro post de hoje eu escolhi mostrar qual é o meu TOP 5 das autoras mais famosas - e que eu tenho seus livros na minha estante -, mas que infelizmente eu ainda não li e sequer conheço a escrita delas :(
Aproveito o post para dizer que PRETENDO "conhecê-las" ainda esse ano, tá? Não me julguem rs ♥

Bom, vamos lá!
Vou deixar a fotinho de cada uma e uma breve apresentação delas!


♥ Kristin Hannah

Kristin Hannah autora de mais de 20 livros, que foram traduzidos para 40 idiomas e venderam 15 milhões de exemplares no mundo. Ela largou a advocacia para se dedicar à sua grande paixão: escrever. Pela Arqueiro, publicou O Rouxinol, As coisas que fazemos por amor, As cores da vida, O caminho para casa, Amigas para sempre e Quando você voltar.

Kristin tem um filho e mora com o marido no noroeste dos Estados Unidos e no Havaí.


♥ Jojo Moyes

Jojo Moyes nasceu em 1969 e cresceu em Londres. Trabalhou como jornalista por dez anos, nove deles no jornal The Independent, de onde saiu em 2002 para se dedicar integralmente à carreira de escritora. Como Eu Era Antes de Você, seu romance de maior sucesso, ocupou o topo da lista de mais vendidos em nove países e foi adaptado para o cinema. Com mais de 20 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, Jojo Moyes é uma das poucas escritoras a ter emplacado três livros ao mesmo tempo na lista de best-sellers do The New York Times. A autora mora em Essex, na Inglaterra, com o marido e os três filhos.


♥ Lucinda Riley

Lucinda Riley nasceu na Irlanda e durante sua infância viajou ao exterior, especialmente para o Extremo Oriente, para visitar seu pai. Mudando-se para Londres, tornou-se atriz e trabalhou em teatro, cinema e televisão. Aos 24 anos, escreveu seu primeiro romance, baseado em suas experiências com dramaturgia. Em seguida, escreveu sete romances com o pseudônimo "Lucinda Edmonds", que foram traduzidos para 14 idiomas. A autora atualmente vive entre Estados Unidos e França, com o marido e quatro filhos.


♥ Julia Quinn

Julia Quinn começou a trabalhar em seu primeiro romance um mês depois de terminar a faculdade e nunca mais parou de escrever. Seus livros já atingiram a marca de 8 milhões de exemplares vendidos, sendo 3,5 milhões da série Os Bridgertons. 

É formada pelas universidades Harvard e Radcliffe. Seus livros já entraram na lista de mais vendidos do The New York Times e foram traduzidos para 26 idiomas. Foi a autora mais jovem a entrar para o Romance Writers of America’s Hall of Fame, a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos, e atualmente mora com a família no Noroeste Pacífico.

♥ Liane Moriarty

Liane Moriarty é uma escritora australiana, nascida em 1966 em Sydney. Antes de se tornar escritora, Moriarty trabalhou no departamento de propaganda e marketing de uma editora de livros jurídicos e como escritora freelancer. Sua primeira obra publicada foi Three Wishes (2004), como parte de sua dissertação de mestrado na Macquarie University. Após sua estréia literária, publicou outras cinco obras: The Last Anniversary (2006), What Alice Forgot (2010), The Hypnotist's Love Story (2011), The Husband's Secret (2013) e Big Little Lies (2014).



E aqui está!
Sei que muita gente vai pensar: "MAS COMO ASSIM ELA NUNCA LEU NADA DELAS?"
Bom, a resposta para isso nem eu tenho rs

E vocês? Passam por situações parecidas?
Conta aí que famosinha vocês ainda não tiveram a oportunidade de conhecer?

Beijinhos :*

[Resenha] O Amor nas 4 Estações - Victor Degasperi!

Título: O Amor nas 4 Estações

Autor: Victor Degasperi

Editora: Faro Editorial

Sinopse: O amor nas 4 estações é uma experiência do sentir. Experimentar a vida em sua essência, valorizar cada momento, cada evento, cada cair de chuva, farfalhar de árvores. Sentir a vida, a alma, o infinito... tudo parece utópico e lúdico demais? Mas é um desafio diário de viver cada momento de verdade e com intensidade, e depois disso, tudo passa a valer a pena! Um livro de crônicas sobre a vida e suas nuances, permeando as quatro estações do ano. Mais do que celebrar o amor, o autor nos desafia a viver um ano inteiro prestando atenção aos detalhes diários que tornam a nossa vida uma grande aventura, e que muitas vezes, deixamos passar. Victor aceitou esse desafio, e durante um ano viu a vida com os olhos de quem quer achar beleza em tudo, e isso mudou a forma como ele enxergou o mundo. E agora ele faz um convite para você viver a própria vida com intensidade, olhar o amor de outra maneira, de fazer uma releitura do nosso coração. Sua proposta é de fazer uma leitura do nosso próprio coração. Este é um convite para viver, em profundidade, as nossas próprias estações. “Quando a felicidade diz que não há nada que você poderia fazer a não ser ir, o coração já pulou. Os grandes momentos das nossas vidas partem de mergulhos corajosos.”


Resenha: “O amor nas 4 estações” é um livro de Victor Degasperi e reúne inúmeras crônicas que são fruto da própria experiência do autor ao longo de um ano, narrando com intensidade todas as percepções, experiências, amores, sutilezas e encantos durante cada uma das quatro estações do ano - que até então nunca havíamos notado que tem tanto a nos ensinar.

"Porque não podemos deixar que aquilo que nos faz o coração arrepiar não seja vivido por qualquer medo de não acertar. Nós sentimos para ser muito."

"Voltar pra trás, muitas vezes, é mais perigoso do que o risco de ir. Os grandes momentos das nossas vidas partem de mergulhos corajosos"

Logo, ele é dividido em quatro partes e cada época é recheada de textos característicos de suas histórias, observâncias e descobertas à cada estação e embora cada parte contenha suas particularidades e estejam dispostas de forma independente, ele consegue através desse compilado, criar um link entre cada virar de estação que facilmente poderíamos sentir – mesmo sem que ele anunciasse - quando uma chegava ao fim, além de nos preparar para a próxima.


O livro além de nos apresentar textos repletos de amor, declarações, inspirações e saudades, veremos grandes e belas lições em passagens que facilmente você se vê no lugar do autor, se identificando e visualizando o que o seu coração estava vendo e sentindo ao escrever. Suas páginas nos faz viajar por nossas próprias lembranças e pensar em várias pessoas a que seus textos poderiam ser atribuídos - num livro sobre verdadeiros valores, se permitir, extravasar.

"E, assim com a paz nos nossos sentidos de dentro, talvez estrelas minhas e tuas possam formar um céu só nosso... A primavera está linda."

O autor tem uma escrita deliciosa (que é um ponto marcante desse livro) e ao abrir seu coração pudemos perceber o quanto sua alma é singela. Victor nos permitiu através de cada palavra escrita, que conheçamos o seu íntimo e aprendamos a valorizar a vida e as relações, apreciando o simples fato de existir, afinal é como ele próprio já nos confessa: A vida é muito maior e mais valiosa nos detalhes.

Livro recomendadíssimo!

[Resenha] O Lado Obscuro - Tarryn Fisher!

Título: O Lado Obscuro

Autora: Tarryn Fisher

Editora: Faro Editorial

Resenha: O Lado Obscuro nos apresenta Senna Richards. Nossa protagonista é uma escritora de prestígio e famosa por seus best-sellers. Sua vida nunca foi um mar de rosas e sente-se uma mulher solitária onde encontra refúgio no seu escritório dedicando-se aos seus livros... mas no dia do seu aniversário, algo surreal acontece! Senna acorda em um local totalmente estranho. É uma casa no meio do nada e em meio a uma grande nevasca. O cômodo onde ela está não tem janelas e como saída só há um alçapão embaixo do tapete é aí que a sua ficha cai: ela foi sequestrada e não faz ideia de onde está.


Buscando uma forma de sair dali e entender melhor como tudo aquilo aconteceu, ela abre essa porta no chão e vai explorar o ambiente. E sem sequer conseguir pensar quem poderia cometer tal atrocidade, ela adentra os outros cômodos da casa a procura de respostas - que conforme vai explorando o local, mais espantada fica. Ao chegar às janelas percebe que lá fora não há sinal de absolutamente nada que não seja neve. É quando nessa busca por algum sinal que comprove que ela está mesmo sozinha na casa, ela encontra em um dos quartos um homem amarrado à uma cama. É Isaac! Se já era estranho encontrar mais uma alma vivente dentro daquele lugar, constatar que a pessoa se tratava de alguém que ela já conhecia – dos dramas do seu passado - tornou tudo ainda mais enigmático.

Senna sempre foi uma mulher que tem dificuldade em confiar nas pessoas e devido a essa resistência – consequência de marcas duras da sua trajetória -, sempre procurou manter todos longe, sua barreira emocional a faz machucar antes que seja machucada. Isaac apareceu em sua vida em um desses momentos sofridos e um elo foi criado entre os dois, mesmo com toda aversão dela. Por sua vez, Isaac sempre foi para ela o tipo de pessoa que não oferecia ajuda, ajudava. Não perguntava se podia fazer algo por ela, fazia. Mas por escolha dela mesma, o afastamento entre eles, mais cedo ou mais tarde, aconteceu. Agora depois de algum tempo estavam ali, trancafiados no meio da neve, sem saber como foram parar lá e sem entender o porquê de ter sido justamente com eles.

Quem os colocou lá? Como conseguiram? Por quais motivos? Eles iriam sair com vida ou os colocaram ali para morrer?

Após libertar Isaac e procurarem instrumentos para uma possível defesa caso o sequestrador aparecesse, eles continuam explorando o cativeiro até se certificarem que o raptor pensou em tudo! Não havia qualquer chance de saída. Além de ter se preocupado em abastecer o local com bastante lenha para lareira, garantiu energia elétrica, estoque de alimentos, roupas de frio e água. Isso os deixou mais assustados porque o estoque sugeria mantê-los abastecidos por muito tempo, o que os fez se questionar há quanto tempo o raptor estaria pensando em deixá-los ali.

O livro é dividido em três partes e em uma dessas, a narrativa se volta para o passado para que entendamos melhor o vínculo entre os personagens. Os outros, nos mostra de forma dura, a luta dos personagens para sobreviver num lugar daqueles. Nos mostra melhor como tudo foi meticulosamente arquitetado pelo raptor, num jogo da vida real, onde eles tinham que entender o porquê de cada detalhe moldado naquela casa e que muito dizia sobre a relação dos dois e principalmente a história de vida dela. Eram enigmas que ao serem descobertos garantiriam a liberdade deles.

Conforme o tempo foi passando – meses, para ser mais precisa – os suprimentos foram acabando e a situação foi ficando cada vez mais difícil, pois além de lutar contra os estresses diários, agora ainda haveriam de lidar com situações como fome, frio, doença... e o pior: a perda da esperança de um dia sair vivo dali.

Senna tem alguns comportamentos que analisados tanto no passado, quanto no presente, não nos faz – de antemão - torcer por ela, é o tipo de personagem que não se conecta muito com o leitor. Mas no final, quando você de fato entende que seus comportamentos são justificáveis, a gente abre um pouco o coração e até se comove. A quantidade pequena de personagens não nos faz levantar muitas suspeitas, você acaba suspeitando de uma ou duas pessoas e, no entanto, não é nem uma, nem outra. Achei uma cartada de mestre da autora.

O final do livro é destruidor. Você fica querendo tirar Senna do livro e abraçar. Sua dor se torna palpável e é impossível que a sua história não nos marque de forma densa.

O Lado Obscuro é um livro que vai muito além de uma história sobre dois personagens presos em uma casa no meio do nada, ela se estende para além daquelas paredes que guardam a dor de uma personagem quebrada por dentro e de um personagem que caiu como um anjo em sua vida. Ele que sempre se salvou, para salvar. Ela, que mal sabia que precisava dele para continuar vivendo. Eram almas gêmeas e mal se davam conta disso.
Afinal é como a autora deixou bem claro: a diferença entre o grande amor da sua vida e sua alma gêmea é que um você escolhe e o outro não.

Livro Recomendadíssimo!

[Resenha] Diário de Uma Escrava - Rô Mierling!

Título: Diário de uma escrava

Autora: Rô Mierling

Editora: DarkSide Books

Resenha: Em ‘Diário de Uma Escrava’ acompanhamos a história de Laura, uma garota de 15 anos que é mantida em cativeiro - até o presente momento do livro, um pouco mais de quatro anos - no subsolo de uma casa longe da civilização, por um sequestrador de mente perversa e doentia o qual ela chama de Ogro - que na realidade se chama Estevão e vive dissimuladamente na sociedade - acima de qualquer suspeita - escondendo o seu lado macabro.


Laura vive naquele ‘buraco’ embaixo da terra sob as piores condições, dorme em um colchão velho, é mal alimentada, tem banhos dolorosos, é obrigada a fazer suas necessidades dentro de um balde e que este só é descartado quando está cheio, nunca vê a luz do dia, não tem qualquer distração, vive as mais humilhantes e desumanas situações e além de já ter passado por todo tipo de dor imaginável - e inimaginável -, ainda é abusada sexualmente todos os dias. Assim, no decorrer da leitura acompanhamos a forma miserável que a protagonista tem que passar para sobreviver àquela situação deplorável e que mesmo sem muitas perspectivas e sofrendo dia após dia pelo que sua vida se tornou e por todos os sonhos roubados, ainda assim não perde a esperança de fugir dali.

Seu algoz não tem dó nem piedade, acima do buraco onde Laura vive, ele desfruta de todo conforto da sua casa e vive como uma pessoal normal e que nada tem com o que se preocupar, enquanto Laura precisa conviver com a sua dor - física e emocional.

A narrativa em sua maior parte fica a cargo de Laura e em forma de diário, onde com muita tristeza ela relata - sem papas na língua - detalhes sinistros de tudo que passou lá dentro. O enredo é pesado, sofrido e facilmente é possível visualizar o terror vivido pela protagonista. Também encontraremos intercalados aos relatos dela, capítulos que nos mostram a dor e o sofrimento da sua família e do seu namorado. Além de mais alguns capítulos nos mostrando outros sequestros cometidos por Estevão – destruindo assim outras vidas e sonhos de meninas que tiveram suas vidas ceifadas pelas mãos de um psicopata que passa deixando rastros de dor, sofrimento e injustiça.

O enredo muda um pouco de direção e ganha uma adrenalina a mais quando Laura começa suas tentativas de fuga e quando o Ogro, que tem predileção por meninas novas, passa a não enxergar mais Laura - agora mais crescida - como seu bem precioso e passa a abusar de outras garotas, fazendo uso da internet e até da própria Laura, obrigando-a a ajudá-lo na caça às suas vítimas. Esse momento do livro é extremamente dramático porque podemos sentir um turbilhão de sensações. Sentimos alívio pela personagem - e com a personagem -, mas também sentimos a angústia de quem sabe perfeitamente que alguma outra garota está sendo torturada e muitas vezes até morta, ao mesmo tempo em que ela está tendo um pouco de paz.

Com um desenrolar angustiante e pungente e com uma narrativa em que a autora não nos poupou dos detalhes, é impossível não torcer por Laura e para que tudo dê certo para ela no final. E mais que isso, é impossível não ansiar pelo final. A autora construiu um enredo tão dramático e perturbador que não se limitou em nenhum momento em nos passar a realidade de uma situação como essa que mostra as atrocidades que uma mente doentia é capaz de fazer e do sofrimento que uma vítima é capaz de suportar, tudo de forma direta, preto no branco... nos deixando presos à narrativa e ansiosos pelo desdobramento e desfecho. Se a ideia era nos impactar, ela conseguiu bravamente.

A autora seguiu por um caminho que eu jamais imaginei. A gente nunca espera que mesmo em meio ao horror psicológico que uma pessoa é obrigada a suportar em uma situação como essa, que ela tome as piores decisões. Laura era vítima de pressões psicológicas, jogos emocionais e depreciação o tempo inteiro por parte do seu sequestrador que a torturava emocionalmente fazendo-a acreditar em suas palavras quando ele dizia que ela jamais se encaixaria na sociedade novamente e que ela já não era mais lembrada. E mesmo entendendo o quanto uma mente pode se tornar perturbada numa circunstância assim, foi impossível - para mim - analisar a trajetória da personagem, se comover com a sua luta para se libertar daquela situação e entender suas decisões no fim das contas - mesmo entendendo também de certa forma o quando aquele desfecho não foge da realidade e é completamente possível, infelizmente.

O final por ter sido o menos esperado possível, talvez tenha sido o motivo de dividir e muito as opiniões. Confesso que eu demorei um bom tempo para conseguir fazer essa resenha justamente por não ter gostado do desfecho, decidi não fazê-la no calor do momento para não ser injusta com o livro no geral e principalmente com a autora que tem uma escrita genial, é inteligentíssima e extremamente corajosa por escolher trabalhar com um tema de tanta responsabilidade e de uma realidade tão cruel. Eu sentia que se escrevesse a resenha logo após a leitura com certeza eu deixaria que minhas emoções ofuscassem o gigantismo do livro e o brilho da autora e não era isso que eu queria - uma vez que a temática desse livro por si só já merece ser enaltecida.

Diário de uma escrava traz um tema necessário. Uma realidade que precisa ser exaltada para que seja debatida e consequentemente tenha a devida atenção. É um livro que inevitavelmente te deixará mais alerta ao que acontece ao seu redor, vai te lembrar dos perigos da internet e de como eles são reais e vai te fazer perguntar-se porque ainda existem tantas outras mulheres por aí vivendo do mesmo terror que a personagem viveu. É desesperador pensar em quantas Laura’s existem por aí nesse exato momento sendo obrigadas a suportar em silêncio todo e qualquer tipo de violência e no quanto, dia após dia, pouco ou quase nada é feito para mudar isso – tornando-as sombras de uma sociedade que parece virar a cara para não ver. Um livro incômodo, cruel. Um relato cru e impactante que vai te deixar com raiva, mas que mesmo assim merece ser lido. Uma obra nacional que merece ser valorizada - com uma história que precisa ser escancarada para que pare de se repetir. Um grito de socorro que precisa ser escutado. Laura não foi a primeira e infelizmente não será a última. Mas aí eu te pergunto... Até quando?

[Diversos] TOP 7: Livros que eu esperava mais!

Hi everybody!

Acho que todo mundo no decorrer da sua trajetória pelo mundo literário já se deparou com aquele livro superestimado, que todo mundo idolatrou na época do lançamento - e se vacilar ainda é aclamado até hoje -, mas não funcionou com você.
São aqueles livros que, talvez pela popularidade, você colocou altas expectativas e por ter ido com muita sede ao pote, deu de cara na frustração/decepção.

É muito difícil eu não gostar de um livro. Por mais fraco que eu ache, sempre tem algum ponto dele que me ganha em algo. Esses da lista não são exceção! Não chegam a ser desprezados, mas me desencantaram em algum momento, seja porque a trama não me cativou mesmo, ou porque me envolvi demais com os comentários positivos da geral e eles não superaram a expectativa.

Sem delongas, mostrarei aqui alguns dos livros que - não sei se devo dizer que não gostei - prefiro dizer que eu esperava mais.
Abaixo eu coloco o porquê deles não terem me agradado tanto e a sinopse - para quem não conhece e tiver interesse em saber do que se trata.


Eu, você e a garota que vai morrer
Sinopse: Livro que deu origem ao filme vencedor do Festival Sundance 2015, nas categorias Público e Crítica, com estreia marcada para 12 de junho nos EUA, Eu, você e a garota que vai morrer é uma mistura perfeita entre drama e humor e um retrato preciso da adolescência em face do amadurecimento. Na trama, Greg tem apenas um amigo, Earl, com quem passa o tempo livre jogando videogame e (re)criando versões bastante pessoais de clássicos do cinema, até a sua mãe decidir que ele deve se aproximar de Raquel, colega de turma que sofre de leucemia. Contrariando todas as expectativas, os três se tornam amigos e vivem experiências ao mesmo tempo tocantes e hilárias, narradas com incrível talento e sensibilidade. Crossover com enorme potencial no segmento young adult, o romance é perfeito para fãs de livros e filmes como A culpa é das estrelas e As vantagens de ser invisível.

/// Ganhei esse livro na época do lançamento dele, confesso que meu interesse partiu movido pelo falatório dele nas redes sociais, era o livro mais mencionado na época. Mas... além de ter tido vontade de abandoná-lo vááááááárias vezes e ter dado novas chances também várias vezes, ao final da leitura eu só conseguia pensar que eu poderia ter comprado outro livro no lugar, sorry!

A garota do calendário
Sinopse: Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. O fenômeno editorial do ano e best-seller do New York Times, USA Today e Wall Street Journal Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida que permanecerão com ela para sempre.

/// Nunca consegui completar essa série. Ganhei os 6 primeiros volumes e desses, li os 4 primeiros. Não senti vontade de completar a série e tampouco de pelo menos terminar de ler os que eu já tenho. Ainda tenho que frisar que 'Fevereiro' é o pior deles. Acredito que esse livro é - de longe - não só o pior dessa série (até onde eu li), mas se encaixa também entre os piores que li na vida. Ainda tenho um pouco de curiosidade de saber como termina a série, mas acredito que não teria coragem de comprá-los (se alguém quiser me presentear em agradeço, obrigada haha).

O lado feio do amor
Sinopse: Quando Tate Collins se muda para o apartamento de seu irmão, Corbin, a fim de se dedicar ao mestrado em enfermagem, não imaginava conhecer o lado feio do amor. Um relacionamento onde companheirismo e cumplicidade não são prioridades. E o sexo parece ser o único objetivo. Mas Miles Archer, piloto de avião, vizinho e melhor amigo de Corbin, sabe ser persuasivo... apesar da armadura emocional que usa para esconder um passado de dor. O que Miles e Tate sentem não é amor à primeira vista, mas uma atração incontrolável. Em pouco tempo não conseguem mais resistir e se entregam ao desejo. O rapaz impõe duas regras: sem perguntas sobre o passado e sem esperanças para o futuro. Será um relacionamento casual. Eles têm a sintonia perfeita. Tate prometeu não se apaixonar. Mas vai descobrir que nenhuma regra é capaz de controlar o amor e o desejo.

/// Quem me conhece deve estar se perguntando: “Mas ela não é fã da Colleen?” Sim, eu sou! Mas isso não significa que por você gostar muito dos livros de um autor, ou pra você se considerar um amante das suas histórias e da sua escrita, você tem que necessariamente ter gostado de todos os livros dele. Eu amo a CoHo! Ela é, de longe, uma das minhas autoras favoritas, mas eu preciso dizer que 'O lado feio do amor' foi cansativo demais. Além do enredo não ter me deslumbrado como aconteceu com todos os seus outros livros, não me fisgou. Achei os dois protagonistas chatos e o enredo numa espécie de círculo viciante, parecia que nada iria mudar por mais que a leitura avançasse. Não foi o tipo de leitura que eu costumo fazer da Colleen, não me senti envolvida como sempre me sinto. E não é que eu não tenha gostado de fato, eu só esperava mais e de alguns pontos, menos.

O teorema Katherine
Sinopse: Após seu mais recente e traumático pé na bunda - o décimo nono de sua ainda jovem vida, todos perpetrados por namoradas de nome Katherine - Colin Singleton resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-criança prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam. Uma descoberta que vai entrar para a história, vai vingar séculos de injusta vantagem entre Terminantes e Terminados e, enfim, elevará Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. Também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera.

/// Me atrevo a dizer que esse é o livro do João Verde com a melhor seleção de quotes. Eu sou completamente apaixonada pelos quotes que consegui arrancar desse livro. Mas infelizmente o livro em si deixou a desejar. Além de não ter conseguido ver nada atrativo no enredo, a leitura foi maçante demais, não recomendo.

Easy
Sinopse: Quando Jacqueline segue o namorado de longa data para a faculdade que ele escolheu, a última coisa que ela espera é levar um fora no segundo ano. Depois de duas semanas em estado de choque, ela acorda para sua nova realidade: ela está solteira, frequentando uma universidade que nunca quis, ignorada por seu antigo círculo de amigos e, pela primeira vez na vida, quase repetindo em uma matéria. Ao sair de uma festa sozinha, Jacqueline é atacada por um colega de seu ex. Salva por um cara lindo e misterioso que parece estar no lugar certo na hora certa, ela só quer esquecer aquela noite — mas Lucas, o cara que a ajudou, agora parece estar em todos os lugares. A atração entre eles é intensa. No entanto, os segredos que Lucas esconde ameaçam separá-los. Mas eles vão ter de descobrir que somente juntos podem lutar contra a dor e a culpa, enfrentar a verdade — e encontrar o poder inesperado do amor.

/// Achei que a autora de Easy tinha uma boa carta na manga, mas não soube aproveitar. O livro tem uma premissa convidativa, uma temática com um propósito importante e que para a época do seu lançamento, não era algo visto com muita frequência em livros, mas eu achei que a ideia central não foi bem aproveitada. Achei que faltou mais emoção também - em todos os sentidos.

As vantagens de ser invisível
Sinopse: Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, As vantagens de ser invisível reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela. As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir “infinito” ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário. Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo.

/// Muita gente não vai entender eu não ter gostado desse livro. Lembro que o li no auge do seu sucesso - se é que ele não perdura até hoje. Já prometi não ler ou assistir o que está muito no auge porque as pessoas acabam fazendo um evento para tudo, acredito que esse foi um dos motivos pelos quais eu coloco esse livro num top desses. Fui com muita sede ao pote e talvez por isso tenha esperado demasiadamente dele. Não gostei do protagonista e lembro de ter achado tudo muito melodramático demais. O livro levanta bandeiras importantes, mas não curti muito o enredo. Até hoje não consigo entender o sucesso dele.

Onde deixarei meu coração
Sinopse: Simples, careta e sem graça. É assim que Bea se vê. Então quando a super descolada Ruby e seu bando de populares passam a se interessar por sua opinião, isso só pode ser uma pegadinha. Certo? Pelo menos é assim que sempre acontece nos filmes... Mas o convite para passarem as férias em Málaga parece pra valer. E com um bônus: Bea pode se afastar da mãe irritante e controladora. No entanto, depois de apenas 48 horas na Espanha, Bea se flagra mudando o itinerário. A menina decide visitar Paris para encontrar o pai que nunca conheceu. Afinal, a cidade luz pode emprestar um pouco de clareza a um período nebuloso de sua vida familiar. No caminho, ela conhece Toph, um estudante americano mochilando pela Europa. Enquanto procuram pelo pai dela nos cafés e boulevards de Paris, ela perde a cabeça em vez disso. Será que Bea é a garota de Toph ou a boa menina que sua mãe espera que ela seja? Ou será esse o verão mágico em que Bea finalmente torna-se dona do próprio nariz?

/// Uma capa maravilhosa, para uma história nem tanto assim. Achei o enredo fraco e a protagonista sem noção, várias vezes tive vontade de socar a cara dela. Embora ambientado em um dos lugares que eu mais tenho vontade de conhecer na vida e que a autora nos proporcionou descrições muito bem feitas, inclusive... a trama não me fisgou.


E aí, gostaram?
Quais os livros que entrariam nesse TOP de vocês?