[Resenha] Meus Melhores Rascunhos - Chris Melo!

Título: Meus Melhores Rascunhos

Autora: Chris Melo

Editora: Rico Editora

Resenha: Quando lemos um livro com a proposta que "Os Melhores Rascunhos" tem, buscamos de alguma forma que em algum momento sejamos tocados. Buscamos entender os pontos de vista dos autores, seus pensamentos, suas mensagens. E tudo isso a gente ganha - como que num pacotinho lindo e embalado pra presente -, com os textos de Chris Melo.


Seu livro fala de amor, de experiências, de coragem, estímulo, superação, das mudanças, do tempo, da espera, da transformação. Seus textos são repletos de reflexões e momentos de identificação - Chris consegue falar por nós, melhor que nós mesmas, desnudando assim sentimentos e sensações que mal sabíamos que tínhamos.

O livro ainda é interativo e eu achei uma cartada de mestre da autora. Durante a leitura você vai se deparar em alguns momentos com algumas perguntas que ela nos direciona e que vai te fazer refletir e olhar para dentro de si mesmo. Em vários momentos me vi parada pensando no que eu responderia e essa atividade de nos fazer olhar para dentro e buscar no nosso íntimo as respostas, me deu alguns tapas na cara e que de fato eu precisava para saber quem eu sou, onde estou, o que quero. Além de nos fazer enxergar que coisas pequenas podem causar grandes efeitos. Ela ainda nos faz relembrar nossos valores, princípios, sonhos e como se ainda fosse pouco, nos mostra a importância de virar páginas. Achei de uma sagacidade incrível.

"A vida não acontece sem a gente e não interessa se acha que ainda não está pronto. O despertador nem sempre lhe dará mais cinco minutinhos."

No começo do livro, no texto “Horizonte de expectativas”, Chris coloca o quanto deseja que na viagem por seus textos que nos encontremos de forma natural - ela com a sua escrita e nós leitores com o nosso olhar. Eu queria falar para ela que todos os papéis foram cumpridos com maestria. Se o que ela esperava era que conseguisse me tocar, conseguiu esse feito com a mesma doçura com que me foi permitido enxergar a sua alma e o mais íntimo do seu coração.

A frase ‘A gente só oferece o que tem’ pode até soar como clichê, mas é o que tão bem se encaixa para definir o coração de Chris e foi o que eu consegui pensar no momento que finalizei seu livro e que agora tento, na minha pequenez, falar do que eu sinto e da emoção de ver alguém tão linda por dentro no mundo de hoje. Seus textos explanam do que sua alma está cheia e eu tenho certeza que só uma pessoa com um coração tão bom escreveria coisas tão plausíveis.


"Aprende a apreciar o vento no rosto, o medo que nos faz pressionar os lábios e o alívio da chegada porque no fundo, a gente sabe que é melhor uma chegada atribulada do que nunca ter partido para lugar nenhum."

“Meus Melhores Rascunhos” foi uma grata surpresa para mim, encontrei muito mais do que esperava e fiquei imensamente feliz de saber que não eram textos como tantos outros que vemos por aí, a singularidade com que a autora escreve é o que nos cativa, além de nos fazer pensar e nos identificar com muitos deles de tal forma a adotar o texto pra nós - porque é de nós mesmos que ele fala.

Chris de forma muito sutil e através de uma escrita sensível e envolvente consegue nos despertar as melhores sensações. Sua afinidade com as palavras é uma das suas maiores características. A forma como conduz o que de fato quer passar e com tanta naturalidade, nos faz sentir aconchego em seus textos e a forma como transmite suas emoções nos envolve por completo.



"Aprendi a ser menos feliz com algumas coisas para evitar ser mais triste na
ausência delas."

Ainda me atrevo a dizer que além de todas essas considerações que eu fiz, digo com total segurança que foi um dos melhores compilados de textos que eu já tive o prazer de apreciar. Ela fala de coração para coração e inevitavelmente você se vê devorando todas as páginas – aquelas, das quais, você lê torcendo para que não termine.

Deveria ser mais fácil falar de Chris, mas não é, porque fico tentando buscar as palavras certas que se encaixem no que verdadeiramente ela me transmite e de toda sua grandiosidade e acabo percebendo que não existe uma fórmula para tal, mesmo eu estando aqui por inteira tentando - inutilmente - passar isso. Mas acredito que se eu disser que ela te fará se emocionar, se sentir abraçado e amar. Pura e simplesmente. Vocês entenderão.

Livro recomendadíssimo e indicado principalmente para todos aqueles que ousam da apreciação de se deixar tocar.

[Resenha] Uma mulher na escuridão - Charlie Donlea!

Título: Uma Mulher na Escuridão

Autor: Charlie Donlea

Editora: Faro Editorial


Resenha: “Uma mulher na escuridão” - novo livro do aclamadíssimo Charlie Donlea - nos traz mais um suspense com muito dinamismo. Aqui, temos mais uma vez e com grande propriedade, todos os requisitos que um bom suspense exige: um enredo chocante e de mexer com a cabeça de qualquer um e ao mesmo tempo descobertas de nos deixar estagnados. Tudo muito bem dosado e bem trabalhado, o que nos leva ao clímax de adrenalina e nos tira da zona de conforto sem esforço algum.

Rory Moore é uma investigadora forense e após recentemente perder o pai - que era advogado - fica encarregada de organizar seu escritório e dar destino aos seus casos, encaminhando-os para outros advogados. Depois de estar afastada das suas funções, por problemas pessoais, é convocada a assumir um caso de assassinato que ocorreu no ano anterior e que, Walter Byrd, o pai da vítima, suplica por justiça. Ter aceitado investigar o caso da garota assassinada até a recoloca novamente em seu cargo, mas é um caso intrigante do seu falecido pai, ocorrido há 40 anos e que nunca houve solução – tão quanto nunca pareceu tão atual -, que a recoloca na ativa e em total adrenalina, afinal o caso está para ser reaberto e o acusado prestes a ser posto em liberdade condicional.

O caso em questão trata-se da prisão de um sujeito apelidado de Ladrão, que fora acusado pelo assassinato de Angela - único caso convincente o suficiente para prendê-lo, embora na época houvesse denúncias da própria Angela de que ele fora o responsável pelo desaparecimento de cinco mulheres em Chicago, todas desaparecidas nas mesmas proximidades e nas mesmas circunstâncias. A denúncia ocorreu quando a moça, ávida por justiça àquelas mulheres, enviou para a polícia um pacote com várias provas que ela tão bem se empenhou em coletar desde o início dos desaparecimentos e isso também se torna o principal motivo pelo qual, sem muitas explicações e de forma repentina, a moça também desaparece - levando o Ladrão a ser condenado apenas por esse crime. Como nunca houve nenhum corpo sendo reconhecido como o de alguma das garotas desaparecidas, nunca puderam responsabilizá-lo por tais casos.

Com uma narrativa - típica do autor – que intercala entre presente e passado, o enredo vai nos apresentar, no presente, as novas descobertas de Rory ao remexer nos arquivos do seu pai, os quais a faz se questionar porque ele aceitara trabalhar naquele caso de assassinato por tanto tempo e que logo adiante descobriria que se tratava de um assassinato em série. Ao passo que, no passado, vamos conhecendo mais de Angela Mitchell e da sua curiosidade aguçada que a levou ao desdobramento do desaparecimento das mulheres daquele fatídico verão de 1979, comprometendo assim a sua própria sobrevivência.


Agora Rory precisa estar cara a cara com o sujeito acusado de matar Angela, o mesmo que tanto deseja que ela termine o trabalho que o seu pai começou: provar que Angela Mitchell está viva e que ele é inocente. Com isso, quanto mais Rory cava fundo para tentar descobrir tudo que está por trás do sumiço de Angela e tentar entender a ligação de tudo aquilo com o seu falecido pai – e talvez com ela mesma - vamos vendo um enredo que a princípio nos ofereceu inúmeras interrogações e espaços, fechar todas as arestas e caminhar para num desfecho eletrizante, onde podemos ver as várias histórias que aparentemente nem imaginávamos haver quaisquer ligações, unir as pontas e se interligar de forma a nos deixar chocados - para não dizer apavorados.

Uma mulher na escuridão é mais um livrão com um enredo extremamente novo, ousado, denso, instigante, marcante, intenso e até doloroso. Donlea construiu um cenário incrível, várias vezes vocês pararão a leitura e tentarão visualizar tudo que meticulosamente ele criou e que tão facilmente nossa mente consegue recriar. Eu posso facilmente explicar até a “geringonça” que o assassino criou para suas vítimas. É sinistro de tão bem descrito e é uma riqueza de detalhes de cair o queixo!
De enredo atrativo, um cenário policial de desestruturar até o mais tranquilo dos leitores, personagens bem desenvolvidos e aproveitados, - que até os de menores participações tiveram um papel importante para o desfecho - e um assassino com práticas altamente peculiares, contribuem para a criação de um dos melhores suspenses da atualidade.

Acompanho Charlie desde A GAROTA DO LAGO e digo com segurança que ele tem evoluído muito como autor, se eu já o admirava desde a publicação do seu primeiro livro, hoje já nem tenho mais palavras para enaltecê-lo, mas ainda na minha pequenez, nunca cansarei de tentar mostrar ao máximo de pessoas que eu puder, que as suas histórias merecem ser lidas.
Eu sempre elogiei – acredito já ser algo batido em minhas resenhas – que eu o acho inteligentíssimo. Só um autor com muita dedicação escreveria tão bem sobre algo que nem faz parte da sua rotina. Charlie é desses! Ele sai da sua zona de conforto e sempre vai além. E cada vez que ele se permite ousar mais um pouquinho, eu fico aqui, ainda embasbacada com sua escrita e suas tramas - mesmo já estando lendo o seu quarto livro.

(...) sua escrita é sagaz e ‘Uma mulher na escuridão’ só veio para reafirmar sua aptidão para tramas bem estruturadas e que possuem pitadas de cada ingrediente necessário para que sejamos facilmente arrebatados e nos mantenhamos aficionados com os desdobramentos, tão quanto extasiados e perplexos à espera dos desfechos - num livro extremamente envolvente.
Cheguei ao final do livro e só consegui aplaudi-lo. Charlie vai alçar voos ainda mais altos e que sorte a minha ter a oportunidade de acompanhar isso tudo de “perto”.

Se você é fã do gênero (e se não for também), aqui está uma leitura imperdível!



Ps. 1 – A Faro, de forma brilhante, irá lançá-lo simultaneamente com o exterior! Já imaginou você apreciando a leitura juntinho com os gringos? É isto! Que presentão, eu fiquei um nojo <3

Ps. 2 - Uma mulher na escuridão será lançado dia 20.05, mas já está em pré-venda, você já pode comprá-lo. E tem mais, está rolando cupom de desconto: 10% de desconto na compra do livro, basta usar o código MULHER10 e é válido até o dia 26.05, não perde tempo não!

[Quote] A Garota Alemã - Armando Correa!

"Tudo o que queremos é fugir: isso é o que mais queremos no mundo."

"Nada mais pode nos acontecer, estamos vivendo num estado de terror, numa guerra ainda não declarada; não acho que exista muita coisa pior o que isso."

"O bom da música, como ele sempre diz, é que você pode levá-la junto a você, na sua cabeça. Ninguém pode roubá-la."

"Ninguém nem acha necessário colocar uma máscara para nos ofender."

[Resenha] Cinderela Pop - Paula Pimenta!

Título: Cinderela Pop

Autora: Paula Pimenta

Editora: Galera

Resenha: Em Cinderela Pop conhecemos Cintia Dorella, nossa protagonista. Cintia é uma garota adorável, decidida, muito determinada, adora música, é estudiosa, mora com os pais e tem uma vida confortável. É a típica princesa dos dias atuais, só faltava mesmo um príncipe.


Criada a maior parte do tempo pelo pai, pois a mãe, devido a sua profissão, passava a maior parte do tempo viajando. Assim, mãe e filha se comunicam por chamadas de vídeo na internet e devido aos fusos diferentes, Cintia falava todos os dias com ela no intervalo das aulas, era o melhor horário para as duas. Tudo parecia estar às mil maravilhas, até que a garota descobre através de um flagra que, enquanto a mãe dela viajava, seu pai a traia com a secretária. Seu mundo desabou naquele dia e depois da separação deles, ela preferiu ir morar com a tia. Foi aí que ela sentiu muito mais a necessidade de falar com a mãe nos intervalos das aulas. Mas é aí também que o segundo problema surge: O diretor de sua escola proibiu todos os alunos de usarem celular na escola. E agora? Como ela manteria contato com a mãe?

Sem alternativas a garota tem a ideia de falar com pai e pedir que ele peça à Direção da escola que a libere para usar o celular, alegando ser um pedido de força maior. Como chantagem, ele concede, mas a obriga a ir ao aniversário de 15 anos das filhas da sua nova mulher, o que deixa a garota extremamente irritada, mas aceita.

Nesse meio tempo, o namorado da sua tia, que trabalha com música, descobre na garota uma facilidade dela para aprender mais sobre música e mixagem. Assim... Cintia aflora seu lado musical que tanto ama e se descobre DJ.
O aniversário das suas “irmãs” se aproxima e coincidentemente no mesmo dia ela é convidada para tocar em uma festa de aniversário, é quando descobre que se trata da mesma festa. Sem saber o que fazer e como fazer, sua tia a aconselha que ela vá mascarada tocar como DJ e a meia noite que troque de roupa e só apareça no baile para marcar presença. Seu pai pelo menos a vendo lá, nem que fosse por pouco tempo, seria suficiente. E assim ela fez.

O que ela não esperava era encontrar um garoto, de antemão, super interessado na sua música, mas que ao chegar à sua cabine, se mostrou interessado muito além das suas mixagens, mas na própria garota também. Ele estava mascarado e só depois é que a mocinha descobriu que o garoto que a visitou era o tão famoso Fredy Prince, o garoto mais cobiçado pela garotada e que iria fazer o show após a sua apresentação.

Em contrapartida, depois de uma conversa não muito calorosa, Fredy vai embora sem saber de fato quem era a DJ Cinderela e após a festa a única coisa que ele ficou como prova de que aquela noite foi real, foi um par do seu all star que ficou no local onde Cintia tocou e trocou de roupa.

Apaixonados à primeira vista, o desenrolar nos mostra o dilema de Fredy movimentando a mídia para encontrar a garota misteriosa do all star e Cintia tentando conviver com os conflitos do pai e as ameaças da madrasta - inclusive a de nunca falar que ela era a dona do tênis porque a mulher do seu pai tinha interesse que Fredy ficasse com uma de suas filhas.
O final, como todo conto de fadas, vocês já imaginam.

História similar à alguma que vocês conhecem?
Sim!

Cinderela Pop é uma releitura do clássico Cinderela. É a história contada de forma mais divertida, dinâmica e atual. Aqui você vai encontrar a princesa, o príncipe e também a vilã. Vai encontrar amores, desamores, alegrias, lágrimas, realizações, o baile e o encanto interrompido a meia noite - tudo bem desenvolvido pela ótica do mundo moderno.

É uma história divertida, fluida, curtinha, desenrolada e que em nada fica atrás do clássico da Disney. Um livro que, embora uma releitura, é original, leve, sagaz e descontraído. Vemos muito da história original da Cinderela em Cinderela Pop e foi uma delícia recordar e ver a história adaptada e com a modernidade como o diferencial.

Acho Paula uma autora extremamente criativa e isso eu descobri no primeiro livro dela que eu tive o prazer de ler: “Princesa Adormecida”. Ela tem uma escrita envolvente e facilmente nos vemos devorando seus livros e que mesmo sendo direcionados para o público infanto-juvenil, são leituras para todos.


[Diversos] 7 Livros com personagens femininas fortes ♥

Hi everybody!!

Hoje é o Dia Internacional da Mulher e nada melhor que mostrar as 7 personagens femininas mais marcantes que já passaram por minhas leituras  Claro, que existem mais inúmeras mulheres marcantes, cada uma com suas peculiaridades e que ficam em nossas lembranças, sejam elas tristes ou ruins... Sem falar daquelas que tem a nossa total admiração, seja porque são mulheres fortes, seja porque nos identificamos com elas 

Ano passado eu fiz esse mesmo post e agora comparando percebo que a minha lista aumentou. Então aproveitei algumas considerações que já havia feito e acrescentei os que faltava. Sem delongas, apresento as 7 personagens que representam bem esse time de mulheres destemidas!!


♥ Anne de O diário de Anne Frank é uma das personagens mais fortes e guerreiras que já conheci. Todas as vivências e lutas da autora-personagem são admiráveis e como ela mesma cita em um trecho a respeito de outrem, me identifico a seu respeito: "Gostaria de ter a sua força, mas sem ter que passar por tudo que ela passou". Anne Frank foi e sempre será um exemplo!

 Lotte, de Roubada, é uma das personagens mais fortes que já vi, é a prova de que é possível continuar de pé de frente a um problema. Ver alguém chegar perto do fim do túnel e dar a volta por cima como ela deu é encorajador.

 Mariam e Laila de A Cidade do sol são duas personagens que representam bem o retrato da mulher guerreira, sonhadora. Da mulher que tira flor de onde só tem espinho, que sofre, mas que sonha ao mesmo tempo. O livro retrata duas histórias de vida diferentes, mas que se cruzam no fim das contas. Se cruzam para nos mostrar que a mulher já foi muito mais desvalorizada do que é hoje, mas a luta de conquistar seu lugar ao sol é incansável.

♥ Liesel, de A menina que roubava livrosFiquei tão perplexa com a trajetória de Liesel, poucas vezes veremos crianças tão fortes, isso é muito claro. Que superação, que garra, que força, que amor. É um misto de sensações, ora eu estava feliz, ora triste, ora com dó, ora surpresa... Acredito que o autor jogou em Liesel todas as características possíveis para nos mostrar o quanto reclamamos de tudo o tempo inteiro e por tão pouco, porque daí simplesmente aparece uma criança que perdeu tudo na vida e ainda assim encontra a felicidade, a força pra continuar, a esperança mesmo em meio a todo tormento. É surpreendente, mesmo resumindo a natureza da menina de uma forma tão ingênua.

♥ Anna e Hannah de A garota alemã: Vemos duas histórias entrelaçadas por um dos cenários mais tristes da história! Conhecemos a história da menina que muito cedo teve de lidar com os conflitos da II Guerra e assim deixar sua cidade na esperança de uma nova vida, embarcando numa viagem dramática a bordo do St. Louis - o navio que saiu de Hamburgo para Havanna levando a expectativa de 937 refugiados. E a história da menina que sempre sofreu pela ausência do pai, por nunca ter tido contato com a história dele e ainda ter de sofrer a tristeza da mãe. Um paralelo fascinante de duas histórias igualmente emocionantes, narradas por duas crianças fortes e determinadas e que muito cedo tiveram que despertar o seu lado maduro e responsável e crescer além da idade que tinham.

 Escolhi Lucy de Dançando sobre cacos de vidro para compor o time, simplesmente porque Lucy é a representação mais clara do amor e da coragem. Mulheres como Lucy merecem o céu, não só porque colocam o amor à frente de tudo, mas porque existem para nos mostrar que as dificuldades da vida, embora muitas vezes não entedamos os porquês, em algum momento ganham total sentido.

 A maravilhosa Lizzy, de Orgulho e Preconceito (não está na foto, pois o livro está emprestado): Quem leu e não se apaixonou pela sagacidade da personagem? Lizzi conseguia ser atrevida e centrada ao mesmo tempo. Uma personalidade invejável. Jane (uma das suas irmãs) também foi uma personagem bem marcante! Sou apaixonada por TODOS os personagens desse livro.

E aí, vocês conhecem alguma dessas mulheres?
Conta aí o que vocês acham delas ;) Vou adorar saber!!
Aproveitando a deixa, feliz nosso dia. O dia que simplesmente representa todos os outros dias do ano.

Beijinhos :*

[Diversos] 5 Livros Sobre a Segunda Guerra Mundial!

Hi everybody!!!

Eu amo trazer TOP's pro blog!
E dessa vez eu venho com uma temática que eu adoro.
Quem me conhece sabe que eu sou fã de um bom drama e se o drama é ambientado em conflito, eu amo ainda mais.
Assim, hoje eu trago um TOP de 5 livros que tem a Segunda Guerra Mundial como pano de fundo.
Da lista que eu separei, apenas um eu ainda não concluí, espero que vocês aproveitem as dicas, são livros maravilhosos

Vamos lá?


1. O Diário de Anne Frank
Sinopse: O depoimento da pequena Anne Frank, morta pelos nazistas após passar anos escondida no sótão de uma casa em Amsterdã, ainda hoje emociona leitores no mundo inteiro. Seus diário narra os sentimentos, medos e pequenas alegrias de uma menina judia que, com sua família, lutou em vão para sobreviver ao Holocausto.Lançado em 1947, O Diário de Anne Frank tronou-se um dos maiores sucessos editoriais de todos os tempos. Um livro tocante e importante que conta às novas gerações os horrores da perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial.
Agora, seis décadas após ter sido escrito, este relato finalmente é publicado na íntegra, com um caderno de fotos e o resgate de trechos que permaneciam inéditos. Uma nova edição que aprofunda e aumenta nossa compreensão da vida e da personalidade dessa menina que se transformou em um dos grandes símbolos da luta contra a opressão e a injustiça. E consagra O Diário de Anne Frank como um dos livros de maior importância do século XX. Uma obra que deve ser lida por todos, para evitar que atrocidades parecidas voltem a acontecer neste mundo.


2. O menino do pijama listrado
Sinopse: Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz idéia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga.
Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.


3. Dois irmãos, uma guerra
Sinopse: Dois Irmãos, Uma Guerra é a história comovente de dois garotos - um judeu e seu irmão adotivo ariano -, criados como gêmeos, à sombra do Nazismo.
Nascidos em Berlim, em 1920, e criados por pais judeu-alemães, no início as origens dos irmãos são irrelevantes. Mas, com a mudança do cenário político, eles acabam em lados opostos durante a Segunda Guerra Mundial - um fazendo parte da Waffen-SS e o outro, do exército britânico - e têm que se confrontar com uma escolha inimaginável, que mudará completamente o destino de ambos. Qual deles sobreviverá? Como irão enfrentar a terrível verdade oculta em seu passado?


4. A menina que roubava livros
Sinopse: Ao perceber que a pequena Liesel Meminger, uma ladra de livros, lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. A mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler. Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade. A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História.

5. A garota alemã
Sinopse: Baseado numa história real, A Garota Alemã é um romance magistral. A bordo do famoso transatlântico St. Louis, uma garota de 11 anos e 936 refugiados judeus fogem da Alemanha Nazista. Berlim, 1939. Hannah Rosenthal, de 11 anos, tinha uma vida de contos de fadas. Ela passava as tardes no parque com seu melhor amigo, Leo Martin. Mas, agora, as ruas estão cheias de nazistas. Eles vislumbram uma esperança para sair desse inferno: o St. Louis, um transatlântico que pode propiciar aos judeus uma travessia segura para Cuba. Mas logo as circunstâncias da guerra mudam e o navio que era sua salvação agora parece ser a sua sentença de morte. Nova York, 2014. Anna Rosen, ao fazer 12 anos, recebe um envelope misterioso de Hannah, uma tia-avó que criou o pai falecido. O conteúdo do envelope inspira Anna e a mãe a viajarem a Cuba para conhecer Hannah e descobrir a verdade sobre o trágico passado da família.

E aí, gostaram?
Já leram algum desses?

Beijinhos :*